Cefaleia

Cefaleia

O que é?

A cefaleia (dor de cabeça) é uma doença comum, muitas vezes subdiagnosticada e subtratada. As dores de cabeça afetam qualquer pessoa e não fazem qualquer distinção entre idades, sexos, raças e áreas geográficas. A Organização Mundial de Saúde incluiu a cefaleia entre as 20 doenças mais incapacitantes para os seres humanos. Além da dor que sentem, as pessoas que sofrem de cefaleias têm dificuldades na realização das atividades normais da vida diária e no desempenho do seu trabalho, têm problemas de relacionamento e uma qualidade de vida reduzida.

cefaleia

Classificação das cefaleias

As cefaleias (dores de cabeças) podem classificar-se como:

  • Cefaleia primária (ou idiopática), na qual a dor, um sintoma cardinal para o diagnóstico, se manifesta sem qualquer causa identificável;
  • Cefaleia secundária (ou sintomática), na qual a causa é facilmente identificável e a dor é o sinal de alarme de uma patologia subjacente (por exemplo, sinusite, hipertensão arterial).

A cefaleia primária representa 90% dos casos e as 3 formas mais frequentes são: enxaqueca, cefaleia do tipo tensão e cefaleia em salvas.

Enxaqueca

A enxaqueca afeta cerca de 15-18% das mulheres e 6% dos homens, com o pico de incidência entre os 25 e os 55 anos de idade. É uma doença recorrente que acompanha o indivíduo ao longo da vida. A dor causada por um episódio de enxaqueca tem características muito específicas:

LOCALIZAÇÃO TIPO INTENSIDADE DURAÇÃO AGRAVAMENTO COM ATIVIDADE FÍSICA  ASSOCIADA A OUTRAS PATOLOGIAS
Unilateral Pulsátil  Moderada a intensa 4-72 horas*

Náuseas e/ou vómitos

Fotofobia o fonofobia

* Se não for tratada ou se for tratada sem sucesso.

 

Em 30% dos indivíduos, a dor é precedida pelo aparecimento de uma aura, uma perturbação neurológica transitória (ou seja, um distúrbio do campo visual, alterações na sensibilidade dos membros superiores/do rosto, dificuldade em transmitir o pensamento por palavras) que se prolonga, em média, durante 20-30 minutos e desaparece quando a dor surge. A enxaqueca é classificada como crónica quando os episódios ocorrem com uma frequência superior a 15 dias por mês, durante, pelo menos, 3 meses.

Cefaleia do tipo tensão

Esta cefaleia é a forma mais frequente de cefaleia primária, surgindo normalmente na adolescência. Pode ser episódica, frequente (episódios <15 dias/mês) ou crónica (episódios >15 dias/mês ou diários). A prevalência da variante frequente é de 18-37% na população geral, enquanto a da variante crónica é de 2-3%. A dor típica da cefaleia do tipo tensão caracteriza-se por:

LOCALIZAÇÃO TIPO INTENSIDADE DURAÇÃO AGRAVAMENTO COM ATIVIDADE FÍSICA  ASSOCIADA A OUTRAS PATOLOGIAS
Bilateral

Sensação de peso ou aperto

(“Capacete a apertar a cabeça")
 Ligeira a moderada 30 min.-7 dias X

Fotofobia ou fonofobia

Cefaleia em salvas

A cefaleia em salvas, apesar de menos frequente do que a enxaqueca e a cefaleia do tipo tensão, é uma cefaleia altamente incapacitante. A dor que o doente sente é lancinante, insuportável. Os episódios ocorrem em séries (os chamados períodos de salva), que podem prolongar-se durante 15 dias a 3 meses. Tendem a ser recorrentes com carácter fixo, normalmente na mesma estação ou nos mesmos dias do ano. As crises tendem a ocorrer várias vezes durante um período de 24 horas, frequentemente nos mesmos horários (por exemplo, a meio da noite). A cefaleia em salvas é mais prevalente nos homens do que nas mulheres; a idade média na primeira manifestação da doença é de 25-30 anos.

A dor da cefaleia em salvas apresenta características específicas:

 

LOCALIZAÇÃO

TIPO

INTENSIDADE

DURAÇÃO*

ASSOCIADA A OUTRAS PATOLOGIAS

Unilateral, à volta do olho e/ou na região temporal

Intensa, lancinante

Intensa - muito intensa

15-180 min.

Hiperemia conjuntival ou lacrimejo; congestão nasal e/ou rinorreia; edema palpebral; sudorese facial e frontal; rubor facial e da região frontal; sensação de ouvido cheio; miose e/ou ptose; inquietação ou agitação

* Sem tratamento

Cefaleia: as causas mais frequentes

Os episódios de cefaleia do tipo tensão são muitas vezes desencadeados por situações de stress (tanto físico como psicológico), falta de repouso, problemas de postura, não sendo de forma alguma influenciados por fatores alimentares e hormonais, típicos no caso dos episódios de enxaqueca.

Apesar de ser reconhecida uma predisposição genética, o episódio de enxaqueca apresenta uma série de fatores precipitantes:

Alimentares (vinho, licores, chocolate, queijo temperado, frutos secos, citrinos, alimentos ricos em glutamato, como cubos de caldo...)
hormonais (ciclo menstrual, uso de contracetivos orais)
Ambientais (stress, emoções fortes, alterações do estado do tempo, traumatismos, esforços excessivos, viagens, altitude)
endógenos (alterações do ciclo sono-vigília, febre, postura incorreta)
Metabólicos (jejum prolongado, desidratação e falta de oxigénio)
farmacológicos (bloqueadores dos canais de cálcio, vasodilatadores, estrogénios...)

No que se refere à cefaleia em salvas, o consumo de álcool está identificado como fator precipitante cardinal na maioria dos doentes. O início de um período de salva coincide normalmente com alterações ocorridas tanto a nível externo e ambiental como nos ritmos de vida pessoais (mudança de estação, viagem intercontinental, períodos de elevado stress, alteração do estilo de vida).

Como tratar a cefaleia

A farmacoterapia permite atuar eficazmente sobre a dor. O objetivo principal consiste no bloqueio rápido das crises, permitindo que a pessoa retome as atividades normais da vida diária. No tratamento das cefaleias ocasionais e do tipo tensão, é possível recorrer à automedicação, por exemplo com Spidifen EF (Arginato de Ibuprofeno), um medicamento indicado para o tratamento da dor de diversas origens e intensidade, como as dores de cabeça. Graças à sua fórmula com Arginina, o Spidifen EF é rapidamente absorvido, o que permitir atingir concentrações plasmáticas mais altas e mais rápidas de Ibuprofeno, comparativamente às formas farmacêuticas convencionais à base de Ibuprofeno.

PREVENÇÃO E RECOMENDAÇÕES

Para prevenir a ocorrência de episódios de cefaleia poderá seguir algumas recomendações simples que, se as cumprir, poderão ser benéficas:

  • durma o suficiente;
  • pratique exercício físico (de intensidade moderada);
  • introduza técnicas de relaxamento (por exemplo, yoga);
  • evite manter uma posição sentada ou fixa durante longos períodos de tempo;
  • coloque o computador longe de janelas ou de fontes de luz que possam gerar reflexos;
  • evitar ingerir alimentos que possam desencadear uma crise (quando identificados);
  • evite o jejum prolongado;
  • evite o consumo excessivo de álcool.

Para saber mais sobre a cefaleia noturna

Como prefere tomá-lo?

O que é Spidifen EF?