Dor nas costas

Dor nas costas

O que é?

A dor nas costas, frequentemente denominada de lombalgia, constitui uma condição altamente incapacitante que afeta homens e mulheres equitativamente: cerca de 80% da população sofrerá de dor nas costas pelo menos uma vez na vida. A dor nas costas é uma das principais causas de mal-estar geral, dificuldades motoras, absentismo laboral e de limitação na realização das atividades normais da vida diária. O pico da incidência ocorre entre os 30 e os 50 anos de idade e os episódios, geralmente agudos, resolvem-se após cerca de um mês. No entanto, em algumas pessoas pode ser recorrente, reaparecendo após um período de bem-estar, e pode até tornar-se crónica. Mais de 50% das pessoas que sofrem de um episódio agudo de dor nas costas apresentam uma recorrência alguns anos depois. A dor nas costas é uma das causas mais frequentes de consulta médica nos cuidados de saúde primários.

prova

Classificação das dores nas costas

Duração

A dor nas costas é classificada como:

1) aguda - resolve-se após cerca de um mês (mais de 90% dos casos);

2) subaguda - persiste, ainda que numa forma ligeira e atenuada, até aos 3 meses;

3) crónica - prolonga-se durante mais de 3 meses.

Além disso, é caracterizada também termos de frequência: a dor nas costas pode ocorrer de forma episódica, ou seja, num único episódio, ou de forma recorrente, quando reaparece periodicamente, após um período assintomático.

Localização

A dor nas costas pode ainda apresentar-se como:

1) lombalgia não específica - dor localizada na parte inferior das costas (região lombar, do lado direito e esquerdo, entre o rebordo costal inferior e as pregas nadegueiras), podendo irradiar para a coxa, sem tendência para se estender abaixo do joelho.

2) radiculopatia (lombalgia com ciática e lombocruralgia) - no caso da ciática, a dor irradia e estende-se abaixo do joelho e pode até nem ocorrer na região lombar, enquanto no caso da cruralgia, a dor irradia para a parte anterior da coxa.

Causa da dor nas costas

Na origem da dor de costas, mais de 95% das pessoas têm uma causa mecânica.

Causas mecânicas geralmente assumidas:

estimulação excessiva ou anormal da região lombar e das estruturas anatómicas (músculos, ligamentos, raízes nervosas...);

lesões traumáticas musculares e ligamentares;

processos degenerativos dos discos intervertebrais e das facetas articulares e apófises espinhosas.

As causas mais frequentes são, provavelmente, as que estão relacionadas com lesões musculares e ligamentares ou que resultam do aparecimento de uma deformidade/degeneração das estruturas anatómicas.

Em 1% dos casos, a causa não é mecânica, sendo consideradas como causas graves (por exemplo, fraturas ou infeções). Em 2% da população são identificadas causas de origem visceral e sistémica (por exemplo, doenças gastrointestinais, doença renal...). Estas causas são rapidamente excluídas na fase de diagnóstico.

 

alguns fatores de risco que podem originar ou acentuar as dores de costas:

1) atividade física demasiado intensa;

2) flexão frequente e torção súbita;

3) levantar cargas com peso excessivo;

4) trabalho manual repetitivo;

5) posturas estáticas durante períodos prolongados;

6) vibrações excessivas.

Há também diversos fatores de risco psicossociais que podem agravar o problema: ansiedade, depressão, insatisfação no trabalho e stress psicológico.

Como tratar a dor nas costas

O objetivo do tratamento consiste na redução da lombalgia e da incapacidade, especialmente para impedir o seu agravamento ao longo do tempo. Contudo, em primeiro lugar o médico deve tranquilizar o utente que apresenta um episódio agudo de dor nas costas (lombalgia não específica), assegurando-lhe que o prognóstico é sempre favorável, dada a natureza benigna da patologia, e que, em 70% dos casos, se resolve após 15 dias. Não é necessário realizar exames radiográficos ou de RMN antes de decorridas 4-6 semanas (na ausência de motivos de alarme segundo o critério médico).

Se a lombalgia e os problemas motores forem persistentes ou incapacitantes, poderá experimentar tomar Spidifen EF, um analgésico não opioide à base de Arginato de Ibuprofeno, que poderá favorecer a resolução dos sintomas.

Spidifen EF tem uma fórmula exclusiva à base de Arginato de Ibuprofeno: a presença da arginina acelera significativamente a solubilização e absorção do Ibuprofeno, comparativamente às formas farmacêuticas à base de Ibuprofeno convencional, garantindo um rápido alívio da lombalgia aguda. O Spidifen EF começa a atuar rapidamente após a administração.

Prevenção e recomendações

Há vários comportamentos e hábitos de vida que podem ter um impacto positivo, prevenindo o aparecimento de dores nas costas ou acelerando a sua resolução:

evite o sedentarismo e, se possível, não deixe de trabalhar;

não fique na cama (exceto nos dias iniciais de uma lombalgia intensa);

mantenha/retome gradualmente as atividades normais da vida diária;

altere/alivie o trabalho (sem levantar pesos, dobrar-se, empurrar...)

reduza o stress profissional;

pratique exercício físico moderado (preferencialmente aeróbico, sem sobrecarga para a coluna, pelo menos 2 horas por semana);

considere a aplicação de calor na zona afetada;

se o desconforto persistir, considere a manipulação espinhal (após 2-3 semanas).

Se a dor nas costas se prolongar, é necessário consultar um especialista (neurocirurgião / neurorradiologista, ortopedista ou fisiatra).

 

PARA SABER MAIS SOBRE DOR LOMBAR

Como prefere tomá-lo?

O que é Spidifen EF?