Dente do siso, dói mesmo!

Dente do siso, dói mesmo!

Dente do siso, dói mesmo!

Ter dores associadas a um dente do siso é uma das situações mais desagradáveis pelas quais podemos passar, pois é geralmente muito intensa e a inflamação associada pode também estender-se para os nervos da face localizados na mesma região, causando nevralgia secundária e dor de ouvido.

A dor associada a um dente do siso pode também estar relacionada com infeções das membranas mucosas da face, língua, garganta ou gengivas (periodontite), e até causar verdadeiros abcessos. E, nestes casos, pode realmente dizer-se: "Dente do siso, dói mesmo!".

O dente do siso dói porquê?

Os dentes do siso, ou terceiros molares, são os últimos a romper na superfície das gengivas, no ponto terminal de cada lado das arcadas (contudo, por vezes, não “nascem” os quatro). Isto acontece normalmente no final da adolescência ou no início da idade adulta, quando todos os restantes dentes definitivos já estão presentes há muito tempo e ocupam a maior parte do espaço disponível.

Portanto, há pouco espaço para cada um dos dentes do siso, podendo resultar numa erupção parcial ou num posicionamento incorreto (ou seja, encostado ao 2.º molar ou inclinado). Ambas as situações facilitam o aparecimento de inflamação, problemas nas gengivas, cáries (afetando o próprio dente do siso ou o 2.º molar) e, claro, dor associada a um dente do siso.

Manter uma higiene oral regular e cuidadosa pode ajudar a prevenir estes problemas, mas, infelizmente, em muitos casos não é suficiente, pois os dentes do siso são difíceis de alcançar com a escova de dentes e com o fio dentário devido à sua posição no final da arcada. Além disso, quando o dente do siso permanece parcialmente incluso na gengiva, podem formar-se quistos nos tecidos circundantes, que são também incomodativos.

Contudo, importa referir que a dor associada a um dente do siso começa quase sempre antes de se ver o dente a emergir na gengiva, durante o período em que a sua grande coroa abre caminho até à superfície e a rompe. Neste caso, a dor é essencialmente de origem inflamatória e pode prolongar-se durante 1-2 semanas, resolvendo-se sem necessidade de consultar o médico dentista quando o dente do siso encontra a sua posição final.

Dente do siso: quando a sua extração é necessária

Se não houver qualquer dor associada ao dente do siso ou qualquer outro dos problemas referidos, não é necessário nem aconselhável proceder à sua extração, mesmo se estiver parcialmente incluso ou mal posicionado, pois o risco de complicações é maior do que os eventuais benefícios.

Mesmo no caso de presença de dor associada a um dente do siso devido a uma inflamação ocasional, antes de recorrer a uma cirurgia dentária é preferível tentar resolver a situação com a administração de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINE), como o arginato de ibuprofeno (Spidifen EF), e eventualmente aplicando uma compressa fria sobre a maçã do rosto dolorosa (mas apenas depois de a situação ter sido avaliada por um médico dentista). A mesma abordagem é adequada também para controlar a dor associada a um dente do siso durante a sua erupção na gengiva.

Ao contrário, quando o dente do siso provoca dores insuportáveis e/ou recorrentes e surgem problemas adicionais (em particular, infeções ou quistos), não há nada a fazer senão proceder à sua extração. A cirurgia é um pouco mais difícil do que a extração de outros dentes, mas geralmente não demora mais do que 20-30 minutos e é realizada sob anestesia local. No final, o médico dentista fecha com alguns pontos a pequena incisão necessária para facilitar a extração do dente do siso e aconselha a aplicação de uma compressa fria na cara durante 1-2 horas.

Dente do siso: aliviar a dor pós-operatória

A aplicação intermitente de gelo continua a ser útil quando o efeito da anestesia desparece completamente, tanto para evitar algum sangramento como para aliviar a dor no local da extração do dente do siso.

Para um melhor controlo da sintomatologia poderá tomar um AINE por via oral (como o Ibuprofeno), eventualmente alternado com paracetamol se a dor for muito intensa e não aliviar o suficiente apenas com o AINE. Em qualquer dos casos, o médico dentista fornecerá toda a informação necessária.

Regra geral, para prevenir infeções (alveolites), é também prescrito um antibiótico após a extração de um dente do siso: deve ser tomado rigorosamente de acordo com a frequência e as doses indicadas pelo médico dentista, sem exceções de qualquer natureza.

Outras medidas recomendas para aliviar o desconforto durante os 2-3 dias após a extração de um dente do siso, incluem: ingerir alimentos frios, semissólidos (ou moles), com algum sal, sem picantes e pouco ácidos; não mastigar no lado da extração; evitar fumar (porque aumenta o risco de infeção) e evitar bebidas alcoólicas; não passar a escova de dentes perto da ferida e bochechar com um colutório adequado.

Qual é a sua dor?

Saiba em que dores pode utilizar Spidifen EF
para obter alívio mais rápido.
Qual é a sua dor?

Como prefere tomá-lo?

O que é Spidifen EF?